terça-feira, 30 de setembro de 2008

Religiao...

Se o assunto é vida depois da morte, é um assunto muito importante. Porque? Simples. Se você acredita que a vida não acaba aqui, vai cuidar para ter uma vida melhor do outro lado, depois da morte. Logo é preciso achar um caminho, um meio, uma direção que te mostre o lugar e como chegar lá. Provavelmente as religiões servem para isso. Para dar instrução aos perdidos de como chegar à plenitude, a Deus, ao paraíso, ao nirvana. Se você esta em uma, é porque tem uma certa preocupação de como vai ficar sua vida depois da vida, nem que seja uma preocupação bem pequena. Isso é natural de qualquer pessoa que se aboleta em uma determinada religião, garantir seu futuro depois da morte. Mas há um pequeno problema, é onde a coisa fica confusa. Existem varias religiões, varias instruções de como chegar a vários lugares diferentes depois da morte. Sinceramente não acredito e vários fins, se houve um único começo, haverá também um único fim, tipo aquelas maratonas que acabam no ponto de partida. Seguindo o pensamento, se nós conhecemos vários fins quando na verdade só existe um, quem estará com o mapa certo?
Se isso não te preocupa, é porque, ou não acredita em vida depois da vida ou tem uma religião, mas não se preocupa com a veracidade do fim que ela te mostra, logo você se encaixa nas teorias de que a religião só veio pra suprir uma carência, um medo da morte e você só esta nela para sustentar seus sentimentos fracos, naturais de qualquer ser humano, e não esta tão preocupado assim com a morte.
Outra, como saber qual é a certa então? Boa pergunta. Depois de milhares de anos de uma disputa egoísta, que se apoiou na religião para sustentar seus ideais, é difícil achar a pureza e verdade em cada uma delas. Da mais humanista a mais capitalista, todas tem um dedo humano no meio. Todas se aproveitaram do nome de Deus, abusaram do seu nome limpo na praça e sujaram-no. Evangélicos, católicos, budistas, espíritas, mulçumanos, etc, varias e varias “verdades”.
O que fazer? Sou a ultima pessoa do mundo capaz de responder a essa pergunta. Mas o primeiro passo é Pensar, criticar. Não ter medo da verdade.
Agora, se você acha isso uma inutilidade, não desperdice o seu tempo, porem “eu queria ver a cara dessas velhas corocas quando descobrirem que o inferno existe mesmo”, como já dizia Mario Quintana.
Infelizmente, acho que essas questões só serão respondidas, se forem, quando eu ou você chegarmos ao começo, ou ao fim. Enquanto isso não acontece, vou buscar o Criador, tentar entender pelo menos uma parte da historia toda, e talvez quem sabe, depois eu me junte a Ele e fique admirando os seres e suas “sabedorias”.

“Mais que amor, que paixão, que alegria, mais que felicidade... me dêem a verdade”.

Nenhum comentário: