sexta-feira, 25 de fevereiro de 2011

Magnólia....


Tudo bem. Em pontos concordo contigo. Mas pense bem; Por mais que amar seja uma variedades de adjetivos admirados em uma pessoa ou o conjunto de defeitos suportaveis de um outrem amante, deve-se estipular uma Ideia Fixa. Sim, uma Ideia Fixa. O que seria?! Ora, a Ideia Fixa é ponto crucial do involucro de alguem. Aquilo da qual nao se pode desaperceber. Imagine só se eu considerasse uma nuvem apenas algo branco, lindo, que flutua parecendo dançar em meio ao ceu, quase um algodao vivo que despeja sua beleza em formas e suavidades. Isso seria a verdade, negar seria loucura. Porem como nao notar tambem a complexidade de sua formação quimica e o imensuravel trabalho de suas goticulas em se manter no ar. E o melhor e mais profundo é que suas formas nao sao dadas a todos, somente aos observadores, aos fidedignos que nao se cansam de imaginar coelhos, pombos, arvores, dragoes, flores e ate rostos em suas plumas. Isso sim, penso eu em minha singular ignorancia, é amar alguem. Poder ver alem de qualidades e defeitos algumas coisas mais complexas; gostos, tiques, manias, olhares, formas. E o melhor, como um sonhador caçador de nuvens poder usurpar de suas facetas coisas desapercebidas ate para seu companheiro. Um exemplo?! ora bolas, nao me chatei. Tu ja aprecias-tes aquela nuvem ali, logo atras de ti?! Se te indagares o que ves me diras possivelmente que és uma pintura no ceu de um passaro com asas abertas, porem eu, com olhos totalmente habitando em outra eternidade da tua irei dizer que sua imagem mais parece uma Magnolia em ascensao, nascendo em esplendor, abrindo suas petalas para o mundo e que, de pouco em pouco, com o poder destruidor da suavidade do vento, vai se desfazendo como se morrese sofrendo, sem querer, para nascer em outro lugar do mundo. Assim é tambem os amores. Dizer-te algo particular de minha Amante seria discutir eternamente sobre algo da qual só eu aprecio e enxergo. Impossivel como moldar as nuvens com as maos ate que todos entendam o que tu ves. Pode ate dar, mas sem tardar viria o vento suas explicaçoes iriam com ele.

terça-feira, 22 de fevereiro de 2011

Intervalo...

Quaisquer que sejam seus desejos,
Quaisquer que sejam seus destinos!


quinta-feira, 10 de fevereiro de 2011

Xero...

Tu pra mim és um jardim
Tens olhadas Violetas
E beijinhos de Jasmim.

Eu e Voce...


Cumplicidade é sempre estar devendo alguma coisa
Mesmo que esta tal nunca exista.
É sempre negar os erros de sua cara metade
Ainda que impossivel de esconder de vista.

É ser suspeito eterno de crimes
Foragidos pelas ruas escuras
É lutar sem nenhum limite
Ser doente sem nenhuma cura.

É acreditar numa falsa verdade
E confiar sempre no que o amor diz
É sempre ter simploria fidelidade
E tambem nao ir quando o outro nao quis.

É dizer em pequenas piscadas,
Brigar, chorar, e rir da vida
É ser cumplice na eternidade
Na chegada ou na despedida.

sexta-feira, 4 de fevereiro de 2011

Charles...

-(gargalhada) Voltou tao cedo!
-Nao pretendo ficar.
-Pelo seu olhar nao trazes boas noticias da vida.
-Seu sarcasmo é sempre tao natural.
-Foram muitos anos de treinamento. mas deixe de rodeio, me digas. Como tem sido a burrice de me deixar aqui?
-Porque perguntas se as noticias sempre chegam em ti primeiro.
-(enquanto preparava uma xicara de cha) Ainda tomas cha ou agora simpatizas com café?
Cha.
-Pois bem. envergonho-me por voce, onde foram parar todos nossos anos de conhecimento e sabedoria? Nao segues mais as leis de sobrevivencia?
-Em tese.
-Olhe bem, tu eras mais feliz só. Enquanto mendigavas com os mendigos e nao dependias de ninguem. Ate tuas drogas, putridas que fossem, nao te traziam tamanha tristeza no olhar. Me diga, o que podes ter sido tao ruim ao ponto de teres saudade de mim?
-Nao sinto saudades de tu caro amigo. apenas vim a um lugar familiar para descansar.
-Nao me faça chorar com tamanha sinceridade(velho e sarcastico). Por isso sempre nos damos bem. Mas lamento ver-te sofrer como tantos outros que nao seguem as leis de sobrevivencia.(ja alterado de ira, seria o cha?) Diga-me raparigo, quando foi que sofres-te tanto, NUNCA (levantou-se bruscamente da mesa). Agora choras como os caes por um punhado de carne. Quando amavas a solidao ate criativo eras mais, agora, mostra-se um total verme dependente.
-E quem és tu pra entender de tais coisas? só esperas o ruim e nao confias em ninguem.
-(pensei que dessa vez voce me estrangular de tao perto e cheio de odio que chegou)VIVO... sou vivo. Caminho bem com minhas pernas da razao.
-Vivo nao és. nao sabes o que é morrer de tal doença. a sensaçao é de milhares de bestas selvagens rasgando seu peito com suas presas afiadas. O ar chega a faltar e a adrenalina sobe na primeira mordida. Nao négo que vivias bem enquanto só, porem....
-Porem bosta nenhuma. Quando vejo de longe teu esforço para seres algo que nunca provou e que depois de tamanho esforço e inutilidade tu continua sendo um esterco.
-Melhor voltar outra hora (levantei-me)
-Va. Va mesmo, sei que vai voltar, só peço que volte sabendo que irias ser trocado novamente como te avisei desde o principio.
-Ate logo.
-Se ao menos me ouvisse, nao irias sentir tanto no futuro.

Encontros com charles sao sempre bem calorosos. desta ultima vez a porta bateu-se atras de mim enquanto ouvia suas murmuraçoes. por mais que o deixes onde o conheci, é como se ainda esivesses comigo... com seus conselhos estoicos e suas leis irrevogaveis.