sexta-feira, 31 de julho de 2009

Brinco... - Charles Sophie (Fragmentos)


Brinco hoje de entender;
De saber o que sentes por mim
De pensar nas minhas ideias
O quanto sonhas sem fim.

Brinco hoje de saber;
Saber teus pensamentos
Saber o que queres
E fingir que nao entendi.

Brinco hoje de culpado.
Culpado por nao responder
Aos seus lamentos e gritos
Que sempre brincaram de se esconder.

quinta-feira, 16 de julho de 2009

Intevalo...


Ontem vi um homem reclamar da vida
Velho ignorante, nao, jovem ignorante
Nao viveu o que passei
E ja se cansa da curta caminhada.
Onde esta a força das pernas juvenis.

segunda-feira, 6 de julho de 2009

Partitura...- Charles Sophie


No começo assim em mim
Era só uma pauta branquinha
Sem nenhum arranjo,
Com seus espaços e linhas

Com desdém, larguei-te, crua,
Junto com tantas outras
Dentro dum silencio de um baú.

Com tu guardada sem valor
Tentei criar em tantas outras
Uma bela canção
Que com amor tocasse todo coração.

Frustrado em cada linha
De uma música sem melodia
Lembrei de ti, que no baú,
Se escrevia sozinha.

Quão salto dei de espanto
Defronte tudo que via.
O mais sem graça Pentagrama
Se tornou a mais bela Harmonia.

Com sua clave bem postada
Eu seguia a direção
Com tua armadura bem simploria
Consegui ler, do mundo todo, a melhor canção

Que compasso bem levado
Um alegretto impressionante
Entre fusas e colcheias
Bemóis e dissonates

Quão parvo sou, mediocre compositor.
Passou em minhas mãos e não notei
A musica escrita pelo proprio Criador

Te peço agora, linda Partitura
Que eu possa ser o maestro
De suas pausas e aumentos
Dos seus levados de lamentos.

Te prometo a orquestra dos Universos
Porem, semibreve...
Se nao fores em ti, bela partitura,
Nenhuma outra ganhara os meus singelos versos.