sexta-feira, 28 de novembro de 2008

Pensamento sobre pensar...


O segredo para se ter um péssimo e infantil pensamento é querer pensar.
O mais gostoso e mais profundo pensar sai sem querer, é construído na mente sem interferência de informações ou formulas.
É igual quando se peida sem querer ao abrir as pernas de mais, igual um espirro, igual um ponto no papel que da numa bela poesia.
Quer pensar bem? Não tente pensar. Deixe acontecer, e quando ele vier e começar com suas traquinagens, sente e observe ate aonde vai. Impressionante!
A liberdade real só acontece no pensamento. Não há limites, obrigações ou leis sobre o que se deve fazer. Se existe um momento em que somos livres, é quando nos deleitamos nas palavras soltas do pensamento. Pense o que quiser, invente, minta, conte verdades, exponha-se o maximo que puder.
Só não se acomode com o que vem, esteja sempre construindo no seu mundo.
Se você parar para pensar, verá que o pensamento é algo no que se deve pensar.

quinta-feira, 27 de novembro de 2008


Pior do que amar e não ser correspondido
É ter amor de mais e não retribuir o pedido.
É como tomar chuva gripado,
Comer com a boca dormente,
É como roubar sem ser roubado
Ou pedir saúde pra doente.

Se me amas esqueça-me logo.
Pior do que dois solitários
Só um eterno apaixonado.

Caipira Urbano...


O sol nasceu pra todos
Mas só alguns pegam chuva
O sem teto na esquina
E o telhado esburacado.

Prefiro meu franguinho
Que cantou três anos na minha janela
Do que o de dois dias
Que mal sabe falar português.

“Eu não como arroz dormido”
Pois eu prefiro o descansado
Porque já ta bem tratado
E combina com meu franguinho xadrez.

O ponto perfeito profundo...

O ponto perfeito profundo
É feito farofa fincada,
No mato moribundo
Da ponte feia e marvada.

Frase, mentiras...

As pessoas se apegam às mentiras,
Não porque gostam ou porque são burras,
Mas sim porque estão desesperadas
Atrás de verdades.

O Pinto do meu Vô...

Eu queria ter o Pinto do meu Vô
Ele era conhecido na sua terra por causa disso.
Quando crescer quero ter o Pinto,
No lugar do “da Silva”, sem graça e liso.

segunda-feira, 24 de novembro de 2008

Do Blog do B. Figueiredo, pego de Caio Fabio

A pessoa “politicamente correta” é aquela que aprendeu e pratica a moral da civilização pós-moderna.

Ser “politicamente correto” é ser diplomático sempre. É não enfrentar nada, sempre em nome da boa educação — mas que pára o fluxo da sinceridade em amor.

Ser “politicamente correto” é seguir o fluxo civilizatório como dogma religioso. É ser contra falar qualquer coisa sobre qualquer tema controvertido. Têm suas opiniões, mas em público nada dizem sobre nada. Quando o tema é política, votam, mas jamais dizem o que pensam. E quando o tema é a fé, rebelam-se apenas contra os fanáticos estereotipados, mas não são capazes de dizer ao Dalai Lama o que pensam sobre Jesus, pois, para eles, seria deselegante.

A pessoa “politicamente correta” é mestre em comer galinha enquanto desmaia se vir cortarem-lhe a cabeça para preparar a panelada. Comem carne de animal, desde que não vejam a “maldade” da morte dele.

Assim, são grandes estetas. Vivem de aparências e de elegâncias. Controlam tudo o que dizem a fim de não serem interpretados como sendo “politicamente incorretos”. São os reis da imagem e do som.

Eu abomino o “politicamente correto”.

Sim, porque Jesus não foi “politicamente correto”. Ele dizia tudo o que era importante, e só não o dizia quando não era importante. E disse: “Vós sois aqueles que recebeis glória uns dos outros”. E acrescentou: “Aquilo, porém que é elevado entre os homens, é abominação diante de Deus”.

Em Jesus vemos a liberdade de ser e crer em plena ação. Ele manda amar o inimigo e tratar a todos como gostaríamos de ser tratados. Porém, Nele não há média, nem política relacional, nem agrados a serem feitos conforme o que as pessoas queriam ouvir. Também Nele não vemos nem esbanjamento de palavras e nem a sonegação ou omissão em relação a elas quando os tempos e circunstancias pediam que Ele se manifestasse.

Eu abomino o “politicamente correto” porque quem o pratica enfraquece, se torna bobão, perde o tutano da alma, e vira em ser belamente mimético.

Eu abomino o “politicamente correto” porque se Jesus o praticasse, não haveria Evangelho, ou Cruz, ou a coragem para ser.

Jesus ensina a verdade, não a média. Assim, Seu grande prazer era fazer o bem, mas não tinha nenhum problema em dizer “não”. Não há em Jesus qualquer gestão que seja “politicamente correta”. Sim, porque as ações Dele que parecem ser “politicamente corretas”, de fato não são; sendo apenas a verdade; daí terem tido a anuência de Jesus. Entretanto, não são “politicamente corretas” apenas porque em outra ocasião (seja ela qual tenha sido) Jesus tenha feito algo que se assemelhasse a tal. Não! Muitas vezes o que se vê é Jesus fazendo a coisa oposta em relação àquela outra que Ele antes havia feito; pois, para Ele, havia o justo (justiça); e, o que é justo é sempre o que é justo. De tal modo que às vezes o que Jesus diz atende aos preceitos morais dos “politicamente corretos” — para, então, logo a seguir, Jesus desmontar outra alegria de anuência em relação a algo em relação a que se esperava Dele uma outra ação. Mas quando, em alguma outra circunstancia, Ele toma um partido em relação à vida, contra as etiquetas relacionais e contra as expectativas “politicamente corretas”, os seres “politicamente corretos” chamam a isto de gesto suicida.

Todo ser “politicamente correto” é frouxo. Não se pode contar com tais pessoas para nada. Elas só estão ao seu lado se der prestígio, pois, se algo acontecer de ruim a você, logo o espírito de auto-preservação deles haverá de se manifestar. Além de que eles mesmos haverão de demonstrar seu moralismo “politicamente correto”, o qual, é contra o moralismo dos antiquados, mas é moralismo assim mesmo. Sim, trata-se de um moralismo educado, porém igualmente judicioso; só que manifesto com carinhas sorridentes e simpáticas.

Além disso, o “politicamente correto” é uma ideologia poderosa. Por exemplo, a mídia mundial gosta de tentar ser “politicamente correta”. Ora, tomemos como exemplo o que acontece a Israel hoje. O mundo todo está contra Israel e nem sabe a razão.

Ouço na tevê: “O Hesbollah atacou Israel e 23 pessoas morrem. Israel, porém, retaliou, e apenas matou três militares, mas matou 13 civis”. Ora, quando se trata dos palestinos, diz-se que três militares foram mortos, e 13 civis inocentes. Entretanto, em Israel, parece não existir criança e nem civis, pois, tudo o que de lá se reporta tem a ver com números gerais, como se todo o país fosse militar...

Sim! Até as mães e as crianças brincando no parque!

Já entre os palestinos, a mídia trata a questão com uma simpatia “politicamente correta”, ainda que alienada e injusta no report.

Ora, isto é fruto de uma atitude da “mídia politicamente correta” do mundo todo, a qual, não olha fatos e nem enxerga a história, vendo apenas questões tópicas e recentes. Além disso, eles olham a situação já com a predefinição de que Israel é o agressor. Sim! Mesmo quando Israel não agride, e quando nada faz, eles assim julgam. E mais: digo isto até para o ser mais fanático, estúpido e anti-Israel que exista — mas sempre em resposta... pois sei o que digo; e estou aceitando sair no “pau dialogal” com todo aquele que pense diferente.

Assim, a mídia está sempre vendo os árabes e palestinos como as vítimas que são oprimidas por Israel. Todos os que assim dizem, são jornalistas contaminados pela moda da própria mídia. Sim, eles cultuam no alienante altar do “politicamente correto”, e que têm na mídia seus mais importantes sacerdotes e profetas.

Vejo o “politicamente correto” fazer uma perversão total do sentido de verdade. A verdade agora é a diplomacia. E toda verdade que não seja diplomática, é feia; e, portanto, deixada de lado.

Eu gostaria muito que os paises detentores de mídia formadora de opinião mundial fossem expostos, em seus paises, às mesmas coisas que acontecem em Israel, e, logo que tal se desse, veríamos essa horda de “politicamente corretos” tomarem posições muito mais radicais do que Israel pratica.

O ser “politicamente correto” vive como aquele que nada sente, posto que pimenta nos olhos dos outros é refresco!

O 11 de setembro, que foi mais espetacular do que calamitoso (calamidades acontecem todos os dias no mundo todo, mas sem show de pirotecnia, não impressionam), ainda não deu aos americanos e à sua mídia nem de longe a noção do que é viver a vida dos cidadãos de Israel. Porém, bastou o show de 11 de setembro para os americanos “politicamente corretos” dizerem: “é um absurdo” — pois, tais pessoas, são “politicamente corretas” apenas no quintal dos outros.

No Brasil há pastores “politicamente corretos”. Ora, quem são eles?

São os que são camaradas de todos, que ouvem todas as barbaridades em silencio, que não batem de frente com nada, e que vivem para evitar qualquer enfretamento. Em público são generosos até com o diabo. Sim! Apenas alisam e fazem cafuné. Mas, no particular, expõe o que sentem. Então, eu me pergunto: Como conseguem viver assim?

Pastores “politicamente corretos”, literalmente dizem: “Não precisando de mim, disponha”.

São bons amigos enquanto você é um sucesso. Mas se algum mal lhe acontecer, eles, os “politicamente corretos”, desaparecem como névoa. Temem ser identificados com o que é incorreto no momento. Se a tal pessoa se levantar, então, eles voltam. Mas só são amigos do sucesso e da aparência dele.

O espírito “politicamente correto” não teria trazido o Evangelho até nós.

O “politicamente correto” é a doutrina dos fariseus aplicada ao comportamento irreligioso dos pós-modernos.

Assim, não jejuam, mas comem com elegância. Não oram, embora digam: “Estou torcendo por você”. E mais: se dizem crer no Evangelho, só fazem tal revelação quando o interlocutor já disse que crê também. Do contrário, ficam sempre sorridentes e calados, não importando a loucura que lhes faça companhia mediante a presença de alguém.

O “politicamente correto” é um sentir escatológico. Sim, porque quem lê Mateus 25 logo vê que aqueles que não viram Jesus na História — são os “politicamente corretos”. Eles é que vêem, mas só fazem algo se for seguro. Eles é que sabem, mas se o que sabem não lhes toca a porta da casa, então não lhes concerne.

Ser “politicamente correto” é chamar para si o status que permite não se envolver com nada que doa, ou que seja potencialmente controverso.

O “politicamente correto” é a ética dos que romperam com a moral careta e assumiram uma outra moral, com fachada sofisticada, com atitude de natureza psicologicamente evoluída, com mil etiquetas relacionais, com modos brandos e finos, e com total busca de isenção em relação a tudo o que lhes roube o chão.

Ser “politicamente correto” é decidir não correr riscos jamais!

Os seres “politicamente corretos” em geral são gentilmente arrogantes, e são mestres em fazer discretas caretas de desprezo para aqueles que eles consideram “caretas”.

Quem se torna “politicamente correto” por convicção, acaba se tornando discípulo do diabo, e fazendo algo que o diabo ama: a evasão da vida comum, exceto da própria vida (egoísmo), enquanto a pessoa se assenta soberana, julgando que está num nível superior ao dos demais.

Desse modo, a Síndrome de Lúcifer se torna algo que é essencialmente ligado à presunção dessa superioridade dos “politicamente corretos”.

Portanto, quanto mais ideologia do “politicamente correto” existe em alguém, mas fria, descomprometida e alheia da existência a pessoa se torna.

O diabo, quando não cria monstros, cria bonecos de etiqueta. E tal etiqueta produz evasão da vida, das convicções, e da coragem para aceitar e lidar com a contradição.

Por isto o diabo ama o “politicamente correto”, pois, por tal ideologia o mundo acaba cheio de etiquetas, mas morto de vida.

O Evangelho é completamente politicamente incorreto. Pois, como disse, se tal ideologia estivesse presente em Jesus, o que se teria seria apenas uma sabedoria de sobrevivência, mas nunca a coragem de dar a vida pelo que é Vida, não importando as conseqüências.

Afinal, no “politicamente correto” não há paixão, mas apenas avaliação da vantagem ou da auto-preservação pessoal.

Se Jesus fosse “politicamente correto”, todos ainda estaríamos em nossos próprios pecados.

A história, todavia, nunca foi feita pelos discípulos dessa ideologia de mimetismo e diplomacia. Os profetas poderiam ser qualquer coisa — menos “politicamente correto”.

Ora, é por tudo isto que abomino o “politicamente correto”, pois é a ideologia da elegância do diabo.

Sim, o “politicamente correto” é o desfile das elegâncias do inferno!

No “politicamente correto” o Sim não é necessariamente sim, e o Não também não é necessariamente não. Pois, em tal ideologia de religiosidade secular, o que é, pode ser, dependendo das circunstancias; posto que se as circunstancias não forem favoráveis, qualquer que seja a verdade, mesmo sendo, na prática não será assim tratada. Afinal, o ser “politicamente correto” só diz que o que é, é, se isto lhe for conveniente e bom para o culto à elegância.

Nele, que me dá de Seu Espírito e não me permite fazer médias, pois, para Ele o que é, é, e não é objeto de nenhum tipo de barganha ou de escolha de conveniência,


Caio Fabio

Eu to com sono...

Eu to com sono, não to afim de escrever hoje
Não quero falar de amor, de tragédia, de vermes.
Não quero escrever sobre meu pensar, sobre os outros,
Sobre a vida e algo mais.
Eu to com sono e o sono é a morte do pensamento.
Quem pensa com sono? Eu! Penso na minha cama.
Não me importa as rimas, as belezas, as profundidades,
As mulheres, as amantes e decepções.
Porque eu to com sono!
Vai dizer que nunca sentiu sono?!
Se você já conseguiu escrever ou pensar enquanto
Estava com sono, parabéns, você é um completo idiota!
Porque não foi dormir ora pois?!

Temo dizer que ja amei...


Temo dizer que já amei. Porque?
Não sei dizer!
Não sei se já senti as borboletas, se consegui
Ver a musica pairando no ar, se já abracei o vento.
Não sei dizer!
Não sei se já fui torturado pelo dito amor,
Ou se o traquina já me pregou uma peça.
Temo dizer!
Não quero ser como tantos outros surrealistas amantes
Aprisionados a beleza da quimera do amor.
Ide, caminhai e dizei;
O amor, eu nunca amei.

Me faça um favor...


Por favor,
Se você conhecer uma garota que;
Assista Os Simpson chorando de rir
E logo após mude para o National Geographic,
De meu telefone para ela.
Se ela, em vez de ficar fissurada por Atrevida ou
Obcecada pelas revistas de horóscopo,
Tiver uma certa queda por Oscar Wide,
Alexandre Dumas, Odeth, literatura Russa
E as piadas da Reads Digesth,
De meu endereço a ela.
Se ela sempre sair arrumadinha, com um estilo
Pessoal e belo, e que ao bater na porta,
Em um dia qualquer, ela esteja despenteada,
Bagunçada e gritando ouvindo musica,
De meu nome a ela.
Se ela tem um dom enorme para oratória,
Se conta piada em velório e tem uma voz
Singular, amarre-a e arraste ela ate min.
A safada correu dos meus sonhos e fiquei a procurar.
Espero atenciosamente.
Por favor, me ajude a ela encontrar.

quinta-feira, 13 de novembro de 2008

Coisa nenhuma...


Lento sentimento retardado
Único e confuso. Contraposto
De tudo que se conhece,
Mais apaixonado que o cupido.

Inteiramente meio termo
Ligado ao inteiro sem tudo,
Longe de ser bem conhecido,
Adormece agora, amor perdido.

É cedo e tarde! Fique então comigo.

O que mais odeio nessa vida...


O que mais odeio nessa vida
Não é o terror, a guerra, a fome,
Não é o desamor dado por iguais.
Muito menos as chuvas em dias de festa.

O que mais odeio nessa vida
Ultrapassa as chatices das aulas de aritmética
Do vento que bagunça o cabelo
E ate dos curtos fins de semana.

O que mais odeio nessa vida
Não se limita a pisar em merda
Ou pegar ônibus lotado na parada.

O que mais odeio nessa vida
É viver caminhando só,Enquanto te amo tanto.

Arvore de Outono...


Minh’alma esta triste, assim como as arvores que
Continuam a chorar após o temporal,
Chora também meu coração neste instante.
Chora de ataque cardíaco, dor profunda e com
Fim.
Fim
Trágico. Morte, no mínimo morte, coma eterno e fora
Do tempo. Sinto um perfume doce no ar, póstumo
Cheiro das flores ao meu redor. Pútrido.
Nas ruas, quando saio, acompanha-me uma pessoa,
Nunca a vi. Sinto sua presença juntinha de min, presença
Cadavérica. Assombra-me com terror, meu caro amigo e companheiro.
Minh’alma triste e cansada lamenta pelos cotovelos.
Roubaram o sol da minha janela. Mitigaram a bonança e
Arrebentaram as correntes da tragédia. Esta livre.
Um pombo cagou na minha sorte!
Chove em meu corpo e pinga em minha alma
Alma que chora com pingos de tristeza e que
Chorara após a tragédia. Triste alma.
Minh’alma esta triste, assim como as arvoresApós o temporal.

Intervalo rapido....

O motivo de muitos não terminarem namoros é
A carência. O ter o que não quer ter,
Não podendo ficar sem ter
O que se tem sem querer.


....................................................................................


São tantas mulheres, parece sem fim.
Saem da minha cabeça e se materializam em meu olhar
São tantas mulheres ao redor de min,Juntando todas elas, teria eu, a Mulher perfeita para se amar.

Todos querem o Bruno...


O seu corpo saradão, bombado e gostosão
É motivo de inveja de todos ao redor.
Não é bom andar sozinho, tem que ter guarda-beleza.
Se não for sair comigo, não vai nem fazer a reza.

O mundo é perigoso, eu só guardo porque amo,
Não sufoco ele não, só não confio nas mulheres.
Elas vêm assim quietinhas, inocentes e belinhas,
Mete a mão no que é nosso e quando vê já to sozinha.

Não sai mais não, só se for bem do meu lado.
Não quero te ver na pizzaria, festa, academia,
Reunião, escola, serviço, trabalho, boteco, cerveja,
Velório, carnaval, natal e muito menos na igreja.

Ciumento é o universo que guarda todo seu mistério
E não revela a mais ninguém.

Eu te amo alem do serio,
Pois se tenho medo de algo esse algo é não te ter.
Compreenda-me um pouco, se não for bem to teu lado,
Asseguro-te amor, é melhor eu não viver!

quarta-feira, 5 de novembro de 2008

Amor 3D...


-Queria prever seus passos
-Não, não queria
-Porque não?
-Seria chato, maçante. Qual a graça, a empolgação de se aproveitar a surpresa da vida se ela não é mais surpresa?
-Ora, muita graça. Saber seus desejos e poder supri-los. Saber seus perigos e poder protegê-la. Conhecer suas decisões e poder ajudar.
-Não.
-Não o que?
-Não seria bom!
-Como não!?
-Tu iria me amar?
-Muito mais!
-E porque me amas?
-Por que tu me surpreende!
-Então não iria mais me amar!
-Iria sim. Pois estaria te amando em dobro. Tanto pelo futuro visto, como pelo presente vivido!
-Não!
-Não o que?
-O amor é bom, vivido uma vez, para que depois haja aquele arrependimento de não ter amado tanto o quanto devia. Duas vezes fica chato.
-Claro que não! Chato é não ter a oportunidade de dar muito amor. Nunca vi reclamarem de amor em excesso, só da falta dele.
-E a oportunidade?
-Que oportunidade?
-A oportunidade de aproveitar o único momento, único lugar, o único beijo, as únicas juras. A oportunidade é o bem mais precioso do amor. Com ela quase vemos o futuro.
-Concordo. Porem gostaria de sempre ter duas oportunidades de te amar, de aproveitar suas falas e seus beijos.
-E não tem?
-Não!
-Como não!? Esta louco...
-Com você não há duas oportunidades. Um momento é um momento. Um beijo é um beijo e nunca mais vai voltar. Com você não existem duas coisas. Sempre me surpreende. Mesmo vendo o futuro, o presente seria diferente, e mesmo vendo o presente o futuro seria distinto. O seu amor é um, um a cada dois momentos.
-Não.
-Não o que desta vez?
-Não me deixe sem te ter. Agora entendi.
-Serio?!
-Sim! Hoje é o nosso futuro de ontem, nosso passado de amanha e nosso presente de agora. Desta maneira posso ver, viver e prever, não só o futuro, mas o passado também.
-O passado?
-Sim. Olhe...
-...Porque me beijou?
-Para te mostrar o passado!
-Não entendi.
-Vi o passado. No passado te dei um beijo e te amei. No futuro de darei outro e te amarei. E no agora...
-No agora, no eterno agora, viveremos três oportunidades!
- Entende agora?
- Não!
- Como não?!!- Preciso de outro beijo Atemporal!

Deus, a simples comprexidade...


Aprendamos então há ver Deus nas coisas simples da vida, mas não achá-lO simples ao ponto de considerá-lO como tantas outras coisas passageiras e limitadas que observamos nos nossos dias. Ele é simples sim, porem na sua maneira de se mostrar a todos nós, em sua maneira de cativar cada pensamento nosso, que nos faz dar um prazer e um sentido maior a vida. Essa simplicidade divina nos dar força todos os dias, ensinando-nos a perseverar e a ver que por mais complicado que seja, há um Deus que simplifica. Veja Deus em uma flor a desabrochar, seu esplendor, sua simples complexidade que se mostra com uma beleza maravilhosa, mas não ache que Deus é a bela flor. Infelizmente a linda flor muxa, seca, é limitada e mostra uma vida e uma auto suficiência passageira. Deus não. Deus é belo, alcançável e singelo como uma flor, porem não é tão pouco como um desabrochar de primavera, Ele ultrapassa esses limites. Ver Deus nas coisas simples, não é necessariamente, dizer que Ele é simples, mas que Ele quer se mostrar há min e a você de uma maneira compreensível, aberta e possível, mesmo sendo Ele tão complexo. Ter a capacidade de apreciar as coisas simples é um dom dado a poucos. Deve ser por isso que o Todo Poderoso se revela a cada detalhe cotidiano, ate os mais minuciosos. De um nascer do sol, ou de um vento a soprar, uma bela paisagem e ate de uma formiga a carregar sua folha. Tudo Deus fez para pararmos e apreciá-lo pelos seus feitos. Há também os que vêem Deus na complexidade da existência. Esses não são tão diferentes dos primeiros apresentados. Admirar a complexidade do DNA ou se debruçar a idéia de milhões de espécies diferentes de seres vivos ou ate observar a causa e efeito que move todo o universo, tanto individualmente em nossos corpos como no imensurável desconhecido, também é um prazer de poucos. Conseguir ver Deus em bactérias, ninchos, plasmas, átomos, músculos e ate ondas cerebrais faz-nos notar sua infinita capacidade de ser complexo, mais do que qualquer ser já estudado. Isso também é ver Deus. Conhecer a complexidade da vida é conhecer a complexidade do Criador da vida. Um Perfeccionista Pintor ou escultor que fez cada detalhe da fotossíntese ou do sistema óptico com uma precisão e um cuidado individual exacerbado.
Talvez ai esteja Deus, nesta simples complexidade. Nestas coisas tão distintas é possível ver Seu amor inexplicável por nós. Mais que religião ou doutrinas Ele se mostra a cada um na medida da capacidade individual de todos. Juntar o pouco que se vê na simplicidade e o pouco que se vê na complexidade, com certeza nos daria o muito de Deus. Infelizmente, ou felizmente, ver Deus em todas essas coisas não nos diz que todas essas coisas são Ele. Creio que se fosse Deus, estaríamos felizes realmente, não alguns, mas todos. Acho então que todas as coisas em que podemos ver Ele é apenas uma maneira Dele de falar e de se mostrar as suas criações e que não quer ser tido como tão simples ao ponto de ser só bom, belo e medíocre mas que também não quer ser visto como complexo, enorme e inalcançável. Esses dois extremos nos revelam uma coisa; Existe sim um Deus, quem não O vê, não consegue notar as coisas simples da vida e logo, esta muito mais longe das complexas.

terça-feira, 4 de novembro de 2008

Ate o infinito...

Até o infinito depois e mais um pouco. Não vou me tornar escravo pelas próprias mãos, enquanto puder serei o que me faz bem amarei as artes, estrelas, bichos e o mar. Não sou retrato da moral e dos bons costumes, nem muito menos imagem semelhança da nata social brasiliense que, geralmente, tem como meta em suas vidas uma “ascensão” envolta ao capitalismo, pois querem servir de exemplo a qualquer custo, mostrar que conseguiram subir ao topo, mas topo de que me pergunto?(pessoas ilusionistas). De onde vem tantos ideais egoístas? Isto me lembra um ditado: “ações pequenas para pessoas pequenas”. Pequenas sim, porque almejam uma grandeza que os tornam minúsculas, esquecidas e submissas.Eu agradeço muito por ter amigos exemplares, aqueles que, de noite, invadiam prédios inacabados em busca de uma visão estelar que fosse capaz de tocar na alma, nos lançando para longe da sociedade “pequena”. Agradeço por ter rolado nos gramados sujos junto a eles enquanto nós lembrávamos que éramos os verdadeiros animais, e que na vida poucos teriam essa oportunidade de se alegrar, pois estavam preocupados de mais com o seu futuro promissor. As fogueiras invisíveis que nos aqueciam, as canções inacabadas com que enaltecíamos e os gritos que acordavam a cidadela e que atrapalhavam os estudiosos da madrugada. Tudo isto esta gravado aqui e eu sou assim, em maior parte, graças a eles. Nós somos GRANDES pessoas, capazes de dar um passo de cada vez sem esmagar os insetos que existem pelo caminho. Até o infinito...





B. Nascimento

Dedicatoria...


Dedico minha poética aos vermes,
Os mesmos de Augustos e de Brás,
Grandes valorizadores da razão e verdade.
Dedico ao amor dos apaixonados, enamorados
Dos alucinados retardados que caem de peito
Na cicatriz aberta dos amantes.
Dedico a guerra, ao sangue azul
Das botina engravatadas e disfarçadas
De cadeiras frescas com o ar condicionado
Aos filósofos falsos e suas falácias
Dedico a Hemorróidas, a Solitária, as tênias e tudo mais
Ao velho e jovem da rodoviária, que ontem
Comeram seus bocados de vomito de milho e pastel.
Dedico minha poética aos porcos, insanos.
Dedico ao soldado cruel de guerra, ao pai pederasta,
Ao diabo enxofrado de óleo de mirra.
Dedico meu poema ao ódio, o mesmo latente
No peito meu, no Seu.
Ao corpo esquartejado, as borboletas coloridas,
Aos passarinhos e ao sol vermelho, vermelho de poluição,
De sangue.
Dedico a lua dos amantes, dos estrupadores.
Dedico minha poética lúdica e com cheiro de esterco,
O mesmo de Augusto e de Brás,
A você! Somente a você dedico todaA verdade.

O tempo nao existe...


O tempo não existe, invento ele a cada minuto
Conto os segundo para terminar a hora
Mas o tempo pouco, do nada, vira muito.
Passo o dia no sol quente, trabalhando sem parar
O tempo que é sempre latente
Nesses dias não quer andar.
Agora me pare numa praia boa, com sol forte e brisa leve
Aposto que o dia passa rápido
Que é perigoso de verão ir para neve.
Joguei meu relógio fora, não agüento ficar preso.
Num instante estou agora, e no outro já padeço.
Essa hora egoísta, que só anda se quiser
Não quero viver contando o tempoQue só passa quando quer.

Espero a morte todos os dias...

Espero a morte todos os dias
Ela bate em minha janela para entrar
Os galhos balançam com o vento lá fora
Minha vida toda já foi, há de passar.
Um perfume fúnebre enche todo o quarto
Não há mais nada que possa fazer
Meus sonhos hipócritas e egoístas
Para próxima geração ira pertencer
Só queria me despedir de Amanda
Aquela que deu meu endereço a escuridão
Foi por causa dela que estou morrendoÉ por causa dela que morro de ilusão.

Anah Lorenza...

Flor de outono
Estrela da noite.
Pedaço de gente
Pequena e luzente.

Na viela ouço o grito
Da mãe alvoroçada,
Que na noite madrugada
Cospe a filha aliviada.

Coisinha pouca-sombra
Já nasceu com o ôi aberto.
E se tu ver bem de bem perto
Vai concordar com o que eu falo,

Que esse toquinho um dia cresce,
Não precisa se apressar.
Hoje agora ta mei mole
Mas amanha já vai bailar.

Quem diria que um dia
De um Goiás e uma Brasília,
Ia sair uma estrelinha
Que já veio pra ficar.

Deus do céu um dia disse:
Ana Lorenza venha cá,
Desce logo naquela terra,E faz aquele povo delirar.


A minha priminha sem vergonha

Pois...

Se não me amas é porque não queres
Pois o meu amor,
Sempre por ti se fere.


Me deixe te amar por um segundo,
Pois neste pequeno tempo
Eu crio todo meu mundo.

Há cinco coisas das quais não vivo;
De nenhumas delas eu me lembro.
Pois viver sem estar contigo,
É aos poucos viver morrendo.

Simples;
Eu te amo,
Pois há muito tempoQue te amo.

Sonhei que sempre te encontrava...

Sonhei que sempre te encontrava
Na terra na lua ou no mar
Sonhei que contigo sempre estava
Na tristeza ou num belo olhar
Sonhei que nunca ia acordar
Pensei que sempre ia me amar
Mas tudo só passou de sonhoSonhei que amei, foi só sonhar.

Todo mundo é assim...

Todo padre é pedófilo
Todo pastor é ladrão
Todo preto é bandido
Todo branco é preconceituoso
Todo gordo é preguiçoso
Todo político é corrupto
Todo rock é do diabo
Toda mulher bonita é burra
Toda mulher feia é inteligente
Todo moleque é esperto
Toda feminista é lésbica
Todo o mundo é ruim
Todo religioso é alienado
Todo “largado” não toma banho
Todo rico é triste
Todo dinheiro é inútil
Toda leitura é boa
Toda água é incolor
Todo céu é azul
Todo conto é de fadas
Tudo é no geral.
Todo mundo é juiz
Todo mundo é certinho.
Todo mundo tem medoDo próprio mundinho.

Quando Entendi...


Quando pai entendi porque meus pais brigavam tanto comigo
Quando motorista entendi porque as buzinas sempre soavam com coisas
Que julgava, eu, tão bobas.
Quando rico entendi a miséria do pobre
Quando desesperado entendi a necessidade do religioso em buscar a Deus,
O mesmo que outrora eu desprezava
Quando triste entendi a necessidade do amigo que sempre forçava
Amizade quando eu menos queria, com piadas e prosas
Quando Sol, entendi o prazer de pisar em poças d’água indo pro serviço
Quando magoado por palavras duras, entendi porque ninguém me entendia
Nos meus dias maus em que não queria conversar
Quando adulto entendi a graça de ser menino
Quando apaixonado entendi as baboseiras que outros falavam pra min
Em situações de amor e paixão, contos maçantes de amor que pareciam não ter fim
Quando filosofo entendi minha ignorância que tanto defendia
Quando desprezado entendi o valor de dar ouvidos
A todos meus colegas e amigos
Quando pobre entendi porque o valor da beleza e vaidade não são tão
Importantes quando não se tem um feijão na panela
Quando feio entendi como é ruim ser vaiado pelos olhos rodeadores
Quando namorando entendi porque tinham tantos ciúmes de min
Em conversas simples e inocentes
Quando cego entendi a visão
Quando desempregado entendi o serviço chato que antes efetuava
Quando tolo entendi a tolice dos sábios
Quando com o rosto machucado entendi que não era tao feio como dizia
Ao olhar pro espelho em dias de solidão ou ate em dias normais
Quando filho único entendi o valor das brigas pelo canal do desenho ou da novela
Com minha irmã
Quando órfão entendi os exageros de meus pais ao me adularem
Quando sozinho, entendi que tudo na vida tinha um motivo, uma razão,
Da dura a mais leve, tudo vem e nos ensina que a persistência não anula os pontos fracos,
Mas os fortalece. Que nem tudo é bom, e que, na maioria das vezes é melhor viver na sombra, no escuro.
E é lá que compreendemos boa parte da vida, pois a maioria dela, por mais que ignoremos, é tristeza, dor,
Porem é nessa agonia nesta escuridão, que tirarei meus melhores momentos, aqueles dos quais darei como resposta
Para o próximo desajeitado e desafortunado que me pedir uma luz.