quarta-feira, 23 de agosto de 2017

18/08/2017

A imagem pode conter: 4 pessoas, pessoas sorrindo, bebê

Hoje faz 24 meses.
A vida é estranhamente estranha.
Eu escrevi e apaguei várias ideias aqui pensando num texto legal pra dizer como esse muleke com cara de velho é especial. Desisti de todas.
Se você já encontrou esse ser, com certeza recebeu um sorriso seguido de um "Oi" simpático e amigo. Talvez ele tenha estendido os braços pra te abraçar sem te conhecer e um provável polegar levantado sinalizou um joinha expressivo.
Ele não é o mais adiantado da sua idade, não fala muito bem e tá longe de ser um prodígio. Mas eu já vi um corredor inteiro de um hospital pedir seus "tchaus" enquanto ele ia de um a um com seu sorriso faceiro alegrar algumas almas doentes. Já fez um elevador lotado de gente rir com suas gracinhas enquanto alguns de nós nem "bom dia" conseguimos dar.
Ele não é especial. Nem pior nem melhor.
Mas tem algo que sempre vejo nesse olhar remelento. Vejo a Felicidade. A pura e simples Felicidade. A real Felicidade. A crença que todos são bons e tudo vai ficar bem. Que tudo se resolve com um "Oi" e um abraço. Que é possível ter paz em um mundo de trevas.

E eu, mergulhado em minha completa infelicidade, encontrei luz onde jamais imaginei. Em umas fraldas sujas e num par de olhos sorridentes.

terça-feira, 15 de agosto de 2017

Saudade

Resultado de imagem para solitario

A Saudade só existe na lembrança.
Não se sente falta daquilo que não se lembra. Se acaso venha eu tentar definir Saudade, seria “sentimento desgraçado que aprisiona sentimentos passados”. Explico.
É de conhecimento comum que entes queridos fazem falta. Um pai falecido fica pra sempre na lembrança de seus filhos ou esposa. Caso tenha sido execrável, apenas lembrança, caso contrário, Saudade. Lembra-se dos sorrisos, beijos, afagos, piadas e até dos improváveis defeitos como os arrotos a mesa ou os roncos na madrugada. Um amontoado de sentimentos se resumem quando a lembrança chega e desperta uma tristeza, a maldita Saudade. Aquela vontade de se querer ter o objeto amado, de desejar-se verdadeiramente, mas ser impossibilitado de tê-lo. A isso chamamos Saudade. Alguns dirão; “mas também se sente saudade de coisas vivas e distantes”. A esses digo: Concordo! Outro motivo pela qual esse maldito sentimento deve ser jogado nas profundezas do oceano.
Qual a função de se querer aquilo que não se pode ter? Seja vivo ou morto, perto ou longe, desejar e não possuir é em outras palavras estar preso aos pés e mãos a uma rocha com grilhões pesados e na outra ponta da sala, observar um prato delicioso acompanhado de uma maravilhosa bebida para saciar a fome e sede de seu pobre prisioneiro.
Diga-me que é bom sentir Saudade e lhe direi que tu é mais sádico que eu. Reflita; ao lembrar de bons momentos passados, as ideias vão se misturando numa mixórdia de sentimentos que não voltarão mais. Não existe saudade sem dor. Sempre que refletir sobre o passado maravilhoso de algo ou alguém, sua pobre alma ira refletir de volta uma tristeza e uma dor singela. Curta, doce e digo até prazerosa, porém ainda será dor.
E de todos os defeitos, esta maldita carrega uma característica que nenhum outro sentimento possui; Imortalidade. Não importa o que se faça, se um dia a Saudade nascer, essa jamais morrerá. Um vírus que se alimenta de passado e alegrias. Agarrada aos pés da lembrança, ela aguarda seu hospedeiro fielmente ser aclamado e ressurge em todo seu esplendor para brilhar com toda sua escuridão.
Digo por fim, que maldigo esse pérfido sentimento apenas por um motivo; Se há uma habitante em minha alma que se deita e desperta comigo diariamente e que o conheço bem, essa é a infame e deliciosa Saudade.

Realidade


segunda-feira, 7 de agosto de 2017

Tudo bem?

Resultado de imagem para marcador de andar de elevador

     Entrei no elevador e saudei com educação o desconhecido que já ocupava o espaço.
     - Bom dia. Tudo bem?
     - Não, não esta.
     - Como? – esse tipo de resposta não é comum.
     - Você perguntou se estou bem. Não, não estou. Ou essa só foi mais uma pergunta ridícula para tentar ser educado?
     - Não. Digo, sim. É que... – ele continuava tranquilo com sua meia idade olhando os números mudarem acima da porta.
     - Não se preocupe. Uma pergunta, duas intenções. Respondendo de acordo com a primeira intenção, a de ser educado; Sim, tudo bem. Obrigado. Respondendo a segunda intenção, a de realmente querer saber como um desconhecido esta a passar a vida e se tudo esta tranquilo; Não, a vida é um inferno, o diabo tirou férias e os demônios estão sem saber quais os turnos para me tirar a paz e por consequência, me perturbam constantemente para garantir o serviço. Estou em meia idade e ninguém me avisou que ser adulto se baseava em pagar boletos e garantir que se tenha uma morte aparentemente tranquila com dinheiro suficiente para poder se pagar um buraco no cemitério. Quando mais novo tive um grande amor que nunca esqueci. Hoje ela esta casada com outro e não há um dia se quer que isso não me aflija. A noite, minha mente se acende como um farol me privando de um bom e velho sono, garantindo assim minha incapacidade de realizar tarefas diurnas fazendo com que eu perdesse meu emprego por ser incapaz de entregar relatórios. O emprego era uma bosta, mas agora não sei de onde vou tirar dinheiro para pagar o buraco de minha morte. Minha única companhia era um cão que faleceu faz três dias de tão velho que era e tive que joga-lo na lixeira porque não existe um terreno baldio nessa maldita cidade onde eu pudesse enterrá-lo. Quinze anos de amizade e no fim o joguei na lixeira. – o elevador parou – Esse é meu andar. Tomara que o lixeiro passe quando eu morrer. Bom dia.
     Saiu dando espaço para uma senhora entrar.
     - Bom dia. Tudo bem? – me perguntou.
     Fingi que não ouvi.

Um simples pedido...

A imagem pode conter: 8 pessoas, pessoas sorrindo, criança, selfie e close-up

    Não quero que meu filho seja gay.
    Muito menos travesti, viado, simpatizante, bi, homossexual ou sei lá o que. Morreria de vergonha.
    Sofreria muito mais se ele fosse feminista, machista, homofóbico, comunista, capitalista, coxinha ou um petista ridículo.
    Teria asco se me dissesse que se filiou ao PMDB, PTdoB, PT, PCdoB e que agora é fã do bolsomito ou que quer mais um esquerda para presidente.
    E o pior, se virasse católico apostólico romano, budista, evangélico, ateu, mulçumano, hindu, espírita ou Deus me livre, macumbeiro.
    Peço ao Universo para que meu filho nunca precise se categorizar para se encaixar aos ideais montados para discutir quem é melhor ou pior que quem. Que não precise de classificação para defender uma ideologia e que apenas siga aquilo que é bom para si e para o mundo.  Que em vez dele tomar partido, ele una as partes. Que ele entenda que definir as pessoas por classe, etnia ou opção sexual é uma atitude irracional e desprezível. Que ele aprenda que ser humano é apenas ser e que diferentes também são iguais.
    Quando Móises perguntou qual o nome de Deus, ele apenas respondeu “Eu Sou”. Vamos aprender com o Criador do universo, chega de parvas classificações. Vamos apenas Ser, ser Humanos.