segunda-feira, 30 de novembro de 2009

Intervalo...


A cada dia desisto mais da vida.
Nao do ponto de vista de querer morrer.
Mas do ponto de vista de desistir...
Aah.. deixa pra la,
Va viver.

7 comentários:

Tallita Fernandes disse...

A vida é uma infinitude de correspondências. O dia que você não tiver mais com quem se corresponder, então pode desistir de viver.

Tallita Fernandes disse...

Isotopias:
-dia
-vida
-viver

...

-querer
-ponto de vista
-não

...

-morrer
-desistir
-existir

Ahhh...deixa pra lá...

Tallita Fernandes disse...

A análise chega em breve

Tallita Fernandes disse...

Espero que entenda e não se magoe com o que eu fiz, mas foi preciso: TE MATEI COMO AUTOR, e só levei em consideração as “confissões” do eu poético, rs. Portanto não veja minha análise como se fosse uma tentativa de ler você enquanto homem-social.


Níveis de Análise Poética:

Nível Mórfico:
A cada dia desisto mais da vida. (substantivo)
Não do ponto de vista de querer morrer. (substantivo/verbo)
Mas do ponto de vista de desistir... (substantivo)
Aah.. deixa pra lá, (verbo)
Vá viver. (verbo)


Nível fônico:
A cada dia desisto mais da vida. (recorrência em => /a/)
Não do ponto de vista de querer morrer. (recorrência em => /e/ /o/)
Mas do ponto de vista de desistir... (recorrência em => /e/ /o/)
Aah.. deixa pra lá, (recorrência em => /a/)
Vá viver. (recorrência em => /a/ /i/ /e/)


Nível Sintático:
A cada dia (EU) desisto mais da vida. (conjugação em primeira pessoa)
Não do ponto de vista de querer morrer.
Mas do ponto de vista de desistir...
Aah... deixa pra lá,
(VOCÊ) Vá viver. (conjugação em segunda pessoa)


Nível semântico:
A cada dia (EU) desisto mais da vida. /a/ (grito) (desabafo) (conjugação em primeira pessoa)
Não do ponto de vista de querer morrer. /e/ /o/ (recolhimento)
Mas do ponto de vista de desistir... /e/ /o/ (ressurgimento)
Aah... deixa pra lá, /a/ (grito)
(VOCÊ) Vá viver. /a/ /i/ /e/ (equilíbrio) (silêncio) (conjugação em segunda pessoa)


A análise do sentindo do poema parte em principio dos dados mórficos recolhidos. O nível mórfico se apresenta semi-equilibrado, tendo 7 verbos e 6 substantivos, no entanto a maior quantidade vai para a de verbos o que automaticamente expressa uma ação e não uma imagem como seria se os substantivos estivessem em maior quantidade. Os sons expressados pelas vogais mais recorrentes mostram o ritmo e a entonação dos versos, além de descrever a ação (identificada no nível anterior), logo temos: 1º estrofe recorrência em /a/, expressa um grito de desabafo; 2º estrofe recorrência em /e/ /o/, expressa retraimento; 3ª estrofe recorrência em /e/ /o/ expressa uma condição; 4º estrofe recorrência em /a/ expressa um grito de desespero por não saber se expressar; 5ª estrofe recorrência em /a/ /i/ /e/ expressa um equilíbrio (silêncio) vindo de um conselho.
O nível sintático revela o modo como a ação descoberta pelo nível mórfico e descrita pelo nível fônico se dá. Na primeira estrofe temos uma oração em primeira pessoa, já na quinta estrofe, dentro da mesma construção poética, temos uma oração em segunda pessoa. Isso caracteriza simplesmente um diálogo. Eis a ação do poema.
Como conclusão pode-se dizer que o poema trata de uma confissão/desabafo sobre a sua condição de vida, e a última estrofe seria um conselho feita pelo observador.

Tallita Fernandes disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Tallita Fernandes disse...

Demorou, mas fiz.Está um pouco bagunçado porque não dá pra dar cor aqui na parte de comentários, mas se você quiser ver o "original", esta no meu blog, se me permite é claro, rsrs.

Larissa Pires disse...

heeey John que saudade da época dessa foto!! =/
Adorei o texto kbçaa!!